Exposição “De que é feita uma coleção? Fluxo e Metamorfose”

Exposição “De que é feita uma coleção? Fluxo e Metamorfose”

Exposição “De que é feita uma coleção? Fluxo e Metamorfose”. O Município de Coimbra abriu no dia 9 de abril, no Centro de Arte Contemporânea de Coimbra esta exposição.

Logo que as restrições de horários, aos fins-de-semana, sejam levantadas o CACC anunciará uma visita acompanhada pelos curadores, para a qual fica desde já convidado/a .

O Centro de Arte Contemporânea de Coimbra continua a investigar e a propor leituras em torno da Coleção de Arte Contemporânea do Estado em depósito no Município de Coimbra com curadoria de David Santos e José Maçãs de Carvalho.O centro é um equipamento cultural da Câmara Municipal de Coimbra e que expõe parte da Coleção de Arte Contemporânea do Estado.

A segunda exposição do ciclo “De que é feita uma coleção?”, definida sob a amplitude dos conceitos “fluxo” e “metamorfose” pretende relacionar obras de pintura e fotografia que representam exemplos diferenciados na abordagem desses conceitos, traduzidos quer por dinâmicas formais e cromáticas de livre explanação na superfície, quer por experiências informais, de surpreendente registo criativo.

 Nesta exposição figuram os seguintes artistas:

Andy Denzler, Antoni Muntadas, Antoni Tàpies, António Dacosta, Art & Language, Carlos Calvet, Eduardo Batarda, Eduardo Nery, Fernando Calhau, Francisco Laranjo, Frank Thiel, Helena Almeida, Ilda David, Jason Martin, João Hogan, João Paulo Feliciano, Manuel Casimiro, Mário Cesariny, Menez, Miquel Barceló, Nadir Afonso, Nikias Skapinakis, Pedro Calapez, Pedro Chorão, Peter Zimmermann, Pia Fries e Vespeira.

“De que é feita uma coleção? Fluxo e Metamorfose” estará aberta ao público de 10 de abril a 20 de junho, no horário de terça a sexta feira, das 10:00H às 18:00H e ao sábado e domingo das 10:00H às 13:00H, durante o período de desconfinamento.

Exposição “De que é feita uma coleção? Fluxo e Metamorfose”

Mais informações aqui.

O Colégio das Artes é uma unidade orgânica da Universidade de Coimbra que opera no campo da arte contemporânea, na sua relação com a arquitectura, o cinema e as artes performativas numa óptica transdisciplinar. Com uma perspectiva transversal aos vários domínios do saber que têm vindo a dedicar-se ao estudo e à produção artísticas, o Colégio das Artes situa-se na confluência entre a investigação científica, a produção de saber e a própria criação, numa perspectiva de retroprospecção, isto é, perspectivando o presente e o futuro das práticas artísticas a partir de um conhecimento da sua história, das questões estéticas e da reflexão teórica e crítica que suscitaram. 

O Colégio das Artes procura constituir-se como uma instituição que, operando na área do conhecimento sobre as práticas artísticas, a sua investigação e mesmo a sua prática criativa, desenvolve várias formas de ensino, formação e investigação numa estrutura funcional multifacetada, de acordo com os princípios de Bolonha.

Gostou do artigo? Goste e partilhe!

Exposição “De que é feita uma coleção? Fluxo e Metamorfose”

bookmark_border

mais em Culture

11 de Abril - Breves notícias de Domingo

a redireccionar em 10 segundos